A Dependência Química e a Sociedade

A Dependência Química e a Sociedade

O artigo A Dependência Química e a Sociedade foi baseado em perguntas recorrentes de pessoas que buscam ajuda em nossa clínica de recuperação.

É de fato um problema social e para compreendê-la é preciso saber que a sociedade da qual fazemos parte tem um domínio gigantesco em quem somos e os inconvenientes que enfrentamos. Ela preserva crenças e valores e se torna a protetora de muitas coisas.

 

Exemplificando, independência e democracia (embora altos níveis de dependência química tenham o potencial de estar roubando independência e eliminando o voto para muitos).

Pois a sociedade da qual fazemos parte representa valores e crenças que, além disso, nos mencionam que tipo de interação devemos ter com os outros e objetos ao nosso redor. Todos nós vivemos em 2 conjuntos, em 2 civilizações primordiais, e somos influenciados por elas: a sociedade da qual fazemos parte e nossas próprias famílias.

Veremos como a sociedade da qual fazemos parte influencia seus membros e pode levar à dependência química. Veremos também como as famílias têm o potencial de influenciar seus membros para a dependência química.

 

 

A Sociedade pode acabar empurrando as pessoas para a dependência química?

Como a sociedade empurra os indivíduos para a dependência química?

É essencial lembrar que somos indivíduos e, como tal, causamos as escolhas que fazemos. Enquanto a sociedade da qual fazemos parte pode ter vários valores compatíveis com os valores da dependência química, ela também tem valores que se opõem ao processo insalubre e compulsivo.

Como sociedade, acreditamos na esperança, na solidariedade com os outros e na escolha independente. Estes são exemplos de certos valores sociais que se opõem ao processo de dependência química.

Devemos continuamente reconhecer nossos próprios valores não compulsivos e devemos desafiar esses valores se, como sociedade, quisermos nos tornar menos dependentes quimicamente. Vamos agora inspecionar os valores e crenças da sociedade da qual fazemos parte e que contribuem para empurrar seus membros para a dependência química.

 

 

O esforço para ser o primeiro

Quando abordamos o assunto a Dependência Química e a Sociedade, esta sociedade da qual fazemos parte está obcecada com “ser como deve ser e parecer como deve ser” e com o triunfo, com “ser a primeira”.

Há um constante incitamento a se transformar e a ser melhor. Ser o segundo não é ruim, mas esperemos ter mais sorte na próxima vez.

Há um comercial de TV no qual um grupo de pessoas está esperando os resultados de um teste de produto.

Depois de anunciar o vencedor, alguém pergunta: “E quem é o segundo? O anunciante olha para cima e diz: “Quem se importa?” o que conta é ser o melhor.

 

 

É possível se esforçar para ser o melhor?

 

A Dependência Química e a Sociedade: Se Esforçar para Ser o Melhor

Não há nada de errado em se esforçar para ser melhor. Somos responsáveis diante de nós mesmos e diante dos outros por sermos superiores.

Entretanto, a questão é que não é a nossa otimização que a sociedade considera mais relevante: o que ela valoriza é ser a primeira. Ser o melhor é o mais valorizado de todos.

 

Como membros da sociedade, ser outra coisa que não seja primeiro nos envergonha. A realidade com a qual temos que conviver é que temos a possibilidade de não ser o número um.

A maioria de nós nos coloca no meio, mesmo quando jogamos tênis, como mãe, pai, marido, esposa, namorado ou amigo. Mesmo aqueles que atingem a posição mais alta em uma área definida de sua história, não superam a média em muitas outras superfícies.

 

Não há nada de errado ou vergonhoso no fato de que a maioria de nós mesmos somos seres vivos médios, ainda que a sociedade da qual fazemos parte não coloque isso no centro das atenções. O risco da obsessão de ser o número um é que ela diz respeito a valores compulsivos.

Uma vez que nos preocupamos em ser o número um, nos deixamos levar e levar os outros a extremos e excessos; como conseqüência, afastamos os indivíduos da moderação e de seu centro de equilíbrio. Em resumo, nos obrigamos a viver como andadores de corda bamba em um cabo de aço: não só andamos sobre ele ocasionalmente, o que poderia ser eficaz, mas vivemos sobre ele.

 

 

FALE COM NOSSA EQUIPE AGORA

 

 

 

 

A Dependência Química e a Sociedade: Vivendo para resultados

Como sociedade, estamos obcecados com os resultados. Este é outro custo da dependência química e da compulsão pelo prazer imediato.

A dependência química tem a ver com resultados e efeitos posteriores; os dependentes químicos vivem obcecados com o resultado. Na dependência química, o mais relevante de tudo é a “alta”, a modificação do humor, seja através do uso de drogas, seja através do apetite por drogas.

 

O dependente químico concentra-se nos resultados. Uma vez que o resultado é o mais relevante de todos, o que não merece atenção ou é deixado de lado é o processo.

O processo tem a ver com como se chega a um ponto definitivo. Se uma pessoa fecha os olhos para o processo, ela está ignorando ou negligenciando sua consciência.

Muitos de nós não temos a possibilidade de ignorar nossa consciência, por isso aprendemos a negá-la.

 

Ao aprender a negar, estamos aprendendo a ser dependentes químicos. A negação é um elemento insubstituível que está em qualquer reação a esta patologia emocional, física e espiritual.

A Dependência Química e a Sociedade é um assunto sempre muito polêmico, onde sabemos que na dependência química, os indivíduos devem aprender a largar a consciência à custa de enormes danos a si mesmos e aos outros. Uma pessoa sem consciência é como um navio sem um leme.

Assim, quando, como sociedade, dizemos a seus membros que a linha de fundo é a linha de fundo, estamos simultaneamente ensinando-os a negar sua consciência.

 

 

Detalhes e Fatos da dependência química e a Sociedade

Dependência Química e a Sociedade: Mais detalhes e Fatos

Em se tratando a Dependência Química e a Sociedade, especificamente como sociedade, a forma como alcançamos nossos próprios fins é primordial. Também é primordial como cada pessoa alcança seus fins, pois é no processo de execução pessoal que o indivíduo encontra valores, crenças e vida espiritual.

Portanto, é como agimos, não o que alcançamos, que estabelece se seremos felizes e teremos interações benéficas para nós mesmos.

 

Como sociedade, gastamos pouco tempo discutindo o processo; queremos saber qual é o objetivo. Para um dependente químico, alocar tempo para o inconveniente da consciência é um desperdício.

O que importa étomar drogas e ficar pedrado. Não importa quem é atingido.

 

Para os jogadores compulsivos, o que importa é o jogo, é a “ação”. Não importa que sua família seja incomodada porque está jogando.

“Eles ficarão felizes quando eu ganhar muito dinheiro”, comenta o jogador compulsivo em um esforço para acalmar as dúvidas da consciência.

 

 

 Estar no controle

Estar no controle

Outro custo da dependência química que é igualmente fundamental para a sociedade é que para nós dois o controle é bastante importante. Espera-se que estejamos sempre no controle.

Alguém uma vez definiu um dependente químico como uma pessoa que preferiria estar no controle do que ser feliz. O objetivo do controle, como nossa obsessão por resultados, é ser um parentesco entre os valores da sociedade e os valores dos dependentes químicos.

 

O controle também tem a ver com resultados, pois se alguém controla, deve ser capaz de manter o controle dos resultados. Não ter controle é mal observado: o indivíduo é comumente considerado fraco sem custo e não digno de respeito.

A Dependência Química e a Sociedade mostra que uma das principais reação da sociedade da qual fazemos parte aos indivíduos mais velhos e ao envelhecimento é um exemplo de como julgamos uma pessoa pela aparência de controle.

 

Porque a Sociedade Julga os Indivíduos Mais Velhos

Como uma sociedade, tendemos a considerar os indivíduos mais velhos como “diminuídos”. Pensamos que eles não acompanham continuamente as situações, que não possuem constantemente controle sobre si mesmos. Comumente pensamos neles como não tendo muito a dar. Parece que temos medo dos indivíduos mais velhos.

Nesta sociedade, temos medo de envelhecer e nos lançamos em nossa obsessão pela adolescência como se fosse possível nos proteger do processo natural de envelhecer.

 

Em várias comunidades há uma tendência a desistir dos indivíduos quando eles envelhecem. Outras comunidades mantêm seus anciãos em posições honrosas.

Elas são vistas em essência como guardiãs do processo, guardiãs da forma como as coisas devem ser feitas. Eles são vistos como educadores de adolescentes.

 

Tentar Tornar os Idosos Descartáveis

Eles ensinam contando histórias, geralmente sua própria história, histórias com metáforas e moral. Na sociedade apressada e focada em resultados da qual fazemos parte, indivíduos maiores são muitas vezes vistos como uma desvantagem. Sua presença parece nos fazer andar mais lentamente e nós não amamos isso, exceto talvez aos domingos ou em reuniões familiares.

Por isso, tentamos tornar os idosos descartáveis.

 

Os indivíduos idosos têm a capacidade de nos orientar no valor do processo. Vários deles olham para trás em sua história e inspecionam não apenas o que conseguiram, mas também como viveram essa vida.

Eles observaram o planeta e seus próprios corpos envelhecerem; vários aprenderam que o controle é uma ilusão. Na melhor das hipóteses, o controle é uma porcentagem.

Acreditar no controle absoluto é acreditar e seguir uma ilusão. Isto criará sofrimento no indivíduo e também naqueles ao seu redor.

 

FALE COM NOSSA EQUIPE PELO WHATSAPP

 

 

 

A Dependência Química é um Processo

Dependência Química e a Sociedade: O Sofrimento é uma Das Chaves no Processo

O sofrimento é um elemento chave na dependência química. Na dependência química, existe a ilusão sedutora de que o indivíduo pode ter controle absoluto.

Os indivíduos que sofrem de dependência têm inconvenientes em suas vidas e sofrem; como qualquer outra pessoa, eles buscam alívio. Assim, eles usam drogas, sentem a mudança de humor e têm a sensação de que estão no controle e que seus problemas permanecem resolvidos.

 

Por um tempo, a Dependência Química e a Sociedade apresenta alguns fatores, onde eles criam a ilusão de que estão no controle e que tudo está bem. Nada poderia estar mais longe da verdade.

Como sociedade, estimulamos o problema do controle absoluto cada vez que mencionamos a seus membros que eles devem ser o número um.

 

 

Perfeição

Outro custo social que é simultaneamente um custo insalubre da dependência química é nossa religião em perfeição. Nós nos exortamos, e aos outros, a sermos perfeitos, não importa o custo.

Nossa obsessão em ter um corpo humano perfeito é um excelente exemplo disso. Não queremos que nosso corpo humano seja saudável, queremos que ele seja perfeito.

 

De revistas de moda a concursos de beleza, o planeta inteiro julga o corpo humano de uma senhora e espera que ele seja “perfeito”. Os corpos dos homens começam a ser julgados.

Todo concorrente tem que ser perfeito em todos os sentidos. O planeta inteiro tem que ter o corpo humano de 19 anos.

A população considera que este custo social é inofensivo, mas não é. Custa vidas.

 

  • O anoréctico anseia pela perfeição até a morte;

 

  • A bulimia pode eliminar os órgãos internos de suas vítimas.

 

 

Quem sabe quantas pessoas cometeram suicídio por se sentirem incapazes de alcançar a perfeição?

A dependência química é baseada na busca do mito da perfeição, seja a busca da perfeição corporal ou a busca do dinheiro todo-poderoso, que representa o equivalente masculino perfeito do corpo (alguns acreditam que todos os homens deveriam ser capazes de ganhar muito dinheiro).

 

A Perfeição é uma Imagem

A perfeição é uma imagem, e todos têm uma imagem diferente do que significa a perfeição. Perfeição é um mito que usamos para consumir a nós mesmos e aos outros.

É um mito porque é inalcançável. Embora cada indivíduo tenha uma imagem diferente da perfeição, espera-se que todos sejam perfeitos da mesma maneira.

 

Na sociedade da qual fazemos parte, a definição de perfeição parece chegar constantemente ao ponto do exagero, do inconcebível. Os compulsivos acreditam nela e forçam a si mesmos a serem perfeitos.

  • Os workaholic lutam para chegar “ao topo”;

 

  • Os bulímicos lutam para ter um corpo humano “perfeito”;

 

  • Os anoréxicos anseiam por ter um corpo humano “perfeito”.

 

Na maioria das vezes, “o topo” é determinado por outras pessoas e não nasce do interior do indivíduo. Esforçar-se para ser perfeito nos afasta de nós mesmos.

Ele nos compara a máquinas, a uma máquina de beleza ou a uma máquina de fazer dinheiro. Uma vez que transformamos indivíduos em objetos, nós os alienamos de sua humanidade.

Uma vez que consideramos uma pessoa perfeita, deixamos de tratá-la como humana.

 

Clínica de tratamento em Piracicaba SP

A Dependência Química e a Sociedade: Histórias Reais

 

Uma senhora considerada bastante preciosa, por padrões sociais estabelecidos. Ela freqüentemente encontra isto em sua desvantagem quando quer fazer amigos ou quer que eles sejam honestos com ela.

Outras senhoras são intimidadas por sua aparência enquanto os homens tentam cortejá-la. Poucas pessoas a tratam normalmente, a maioria a trata como um objeto.

 

Quando pensamos no assunto a Dependência Química e a Sociedade, imediatamente já imaginamos que os seres humanos não são criaturas perfeitas e nunca serão. Se dissermos a nós mesmos e aos outros que devemos nos esforçar para ser perfeitos, nos proporcionaremos uma vida de tensão, frustração e dor.

Vamos nos separar da raça humana, onde estão nossa força e nosso espírito. Tentar ser perfeito cria solidão, e uma vez que estamos sozinhos, estamos mais propensos ao processo de dependência química.

 

Uma vez que tentamos ser deuses, falhamos; uma vez que tentamos ser humanos, somos bem sucedidos.

Nunca teremos a possibilidade de nos tornarmos deuses, mas temos a possibilidade de aprender a ser pessoas superiores. No trabalho dos Alcoólicos Anônimos há uma frase que diz: “Nosso programa é de avanço espiritual, não de perfeição”.

Os autores, usando a inteligência, incluíram esta frase para advertir a população a se concentrar no aumento e no processo, não nos resultados. Ao esforçar-se para ser perfeito, os indivíduos causam muito sofrimento.

 

A tensão de uma vida dedicada à perfeição faz com que vários procurem o alívio sedutor que está no processo de dependência química. Perfeição é um custo viciante; o aumento é um custo espiritual.

Muitas pessoas são consumidas e têm vergonha de serem imperfeitas.

 

 

Dependência Química Mesmas histórias com realidades diferentes

Diversas histórias: A Mesma Realidade

Um garoto de 19 anos veio me ver porque tinha pensamentos suicidas.

Ele tinha conseguido 2 boas notas no trimestre (as outras eram médias). 2 boas notas e ele queria terminar sua história de não alcançar a perfeição durante um período de tempo no ano letivo. Ele havia assimilado plenamente o mito de que qualquer coisa menos que a perfeição é aceitável.

 

O risco de querer alcançar a perfeição é o que nos acontece quando nos deparamos com o fato de que, como humanos, somos imperfeitos. Constantemente, esta é a situação em que recorremos a interações compulsivas para nos ajudar a pensar que temos a possibilidade de sermos perfeitos ou para nos ajudar a lidar com a dor de descobrir que somos apenas humanos.

Mais um ponto onde a discussão aDependência Química e a Sociedade é tão importante!

 

Escolhemos continuamente sentir vergonha por ter falhado. Temos a tendência de não contar a ninguém sobre nossos próprios fracassos ou nossas próprias decepções.

O jovem que mencionei pode ser um candidato ideal para recorrer a qualquer objeto que prometa alívio de sua dor e lhe dê a ilusão de que ele pode alcançar a perfeição.

 

 

Falta de inter-relações genuínas

Vivemos em uma sociedade transitória e acelerada, e é por isso que pouca importância é dada às colaborações. Em uma sociedade onde os resultados, e não os processos, são primordiais, os indivíduos tendem a considerar os outros como objetos. Isto pode levar à desconfiança nos outros.

 

Em uma sociedade em que existe a probabilidade de atingir o objetivo social de “enriquecer processando os outros”, é de se esperar que encontremos pessoas que não confiam e têm medo de gerar interações.

 

Na sociedade da qual fazemos parte, as interações entre certas pessoas parecem ter adquirido as propriedades de objetos descartáveis. A população espera que as interações corram bem, mas depois as dispensa se não funcionarem. Uma vez que as colaborações com indivíduos se tornam suspeitas, as colaborações com objetos ou eventos se tornam muito mais atraentes.

 

 

A Dependência Química e a Sociedade: Adoção de objetos

Queremos coletar o máximo de objetos que pudermos. Um certo status social está ligado a tais objetos; temos a possibilidade de saber com que tipo de indivíduos estamos adquirindo objetos ao seu redor.

É mais simples ter uma relação com objetos do que com indivíduos. Os objetos não exigem nada de você, eles não discutem nem discordam de você.

 

Eles permanecem ao seu redor para servi-lo.

 

O enorme problema de nossa interação primária ser com um objeto é que ele não nos traz muita satisfação com relação a nossas próprias necessidades emocionais e íntimas.

Os indivíduos acabam se sentindo bastante solitários por dentro e acreditam que precisam de mais objetos, uma vez que o que desejam são as inter-relações humanas.

 

 

Dependência Química uma historia descartável

 

Uma sociedade descartável

Alguns de nós vivemos, até certo ponto, com a crença de que a sociedade da qual fazemos parte e o planeta permanecem à beira de serem exterminados a qualquer instante. Um número ótimo de adolescentes realmente assume que eles nunca chegarão à velhice por causa da probabilidade de devastação do mundo inteiro.

Vivemos permanentemente na sociedade da qual fazemos parte sob uma tensão gigantesca devido a isso. A dependência química tem tudo a ver com este sentimento.

 

É complicado imaginar o impacto que esta ameaça tem sobre nós mesmos e como ela pode contribuir para levar os indivíduos a interrelações compulsivas com drogas e comportamentos insalubres.

Se tratarmos nossa terra, nossas próprias vidas, a vida de nossos próprios filhos e a terra de outras pessoas, suas vidas e a vida de seus filhos como descartáveis, estaremos empurrando a nós mesmos e a eles para a dependência química. A dependência química é um processo no qual os dependentes químicos  e aqueles ao seu redor se tornam descartáveis.

 

A lógica que postula que teremos mais estabilidade produzindo cada vez mais armas é idêntica à lógica viciante que postula que é bom tomar outro produto químico que contribuirá para nos matar. Esta lógica trata a raça humana como descartável.

Acabamos considerando nosso mundo como um objeto a ser usado, em vez de um mundo cheio de vida com o qual todos nós temos uma interação íntima.

 

Dependência Química e a Sociedade: Um Mundo Cheio de Vida Que Desconhecemos

As civilizações originais enfatizam o fato de que em tempos antigos estávamos relacionados com a natureza e que esta interação era sagrada. Estas civilizações ensinam que somos parte do mundo inteiro e que o planeta é parte de nós mesmos.

Desta forma, elas nos ensinam que o mais relevante nas inter-relações é o respeito recíproco. Seguindo tais ideais, é impossível estar sempre sozinho. Mesmo quando não há mais ninguém, a natureza está continuamente ao nosso redor.

 

Se, em nossa cultura, ensinamos aos indivíduos que as colaborações são relevantes, estamos também ensinando-os a dirigir suas ocupações.

Para ter uma inter-relação respeitosa consigo mesmo e com os outros, os indivíduos devem ser capazes de disciplinar seus próprios impulsos. A dependência química funciona bem na sociedade da qual fazemos parte porque ela é dirigida à confiança em objetos ou eventos, não em indivíduos.

 

 

A Dependência Química e a Sociedade

O que acontece quando as coisas são levadas ao extremo.

Outro custo da sociedade da qual fazemos parte que se encaixa bem com as normas da dependência química é a forma como valorizamos os excessos. Se um é bom, 2 é ainda melhor.

 

  • Vários viciados em drogas disseram ao tomar um punhado de comprimidos: “se um é bom, 2 ainda é superior”;

 

  • Vários viciados em alimentos disseram a mesma coisa para si mesmos ao tomar seu momento no balcão de pastelaria;

 

  • Vários consumidores compulsivos disseram a mesma coisa uns para os outros ao pagar por algo que eles sabem que vai acabar em um armário.

 

O excesso se torna um sinal de status social na sociedade da qual fazemos parte. A dependência química é sobre o excesso.

O dependente químico é fascinado por estar bem estocado. De garrafas escondidas a contas bancárias secretas, os dependentes químicos tentam constantemente ter tudo o que podem ter.

 

Os dependentes químicos têm um medo horrível de ficar sem coisas. É, a propósito, um medo de desamparo.

Os dependentes químicos têm desistido de muitas coisas na vida: valores, amigos e auto-estima. Seu maior medo é que seu objeto os abandone, embora isso não seja viável.

 

Os objetos não têm a capacidade de desistir de indivíduos.

Você conhece alguém que precisa de ajuda? Fale agora com nossa equipe.

 

 

Clínica Recuperando Vida

A Dependência Química e a Sociedade: Conclusão

Quando pensamos em escrever o artigo A Dependência Química e a Sociedade pensamos em abordar um assunto complexo, mas que existem saídas para sua melhor interpretação.

E a busca de respostas e alternativas para minimizar suas consequências.

 

Há muitas semelhanças entre o processo insalubre da dependência química e o que a sociedade da qual fazemos parte hoje em dia defende. Talvez seja por isso que a porcentagem de vícios é tão alta.

Entretanto, como mencionado no início desta parte, a sociedade da qual fazemos parte também tem valores que se opõem ao processo compulsivo de dependência química. Começamos a ficar fartos da dependência química e começamos a lutar contra esta patologia.

 

Fazemos isso recuperando nossos próprios pontos espirituais e, esperamos, aqueles da sociedade da qual fazemos parte do grupo deles. Um amigo meu definiu certa vez a dependência química como “responder ao nosso chamado espiritual, indo na direção errada”.

 

Talvez, como indivíduos e como um todo, estejamos finalmente começando a aparecer na direção certa.

 

Gostou deste artigo? Compartilhe com sua família e amigos que estão em busca de ajuda para os problemas decorrentes das drogas e do alcoolismo.

Compartilhe também em suas redes sociais.

 

A Equipe de conteúdo da Clínica Recuperando Vida publica semanalmente artigos de conteúdo altamente relevante e que pode ajudar as pessoas a buscarem soluções para seus problemas decorrentes do uso de substâncias químicas. Fique atento as nossas publicações semanais.

 

 

A Equipe de Conteúdo da Clínica Recuperando Vida recomenda a Leitura dos Seguintes Artigos:

 

DEPENDENTES QUÍMICOS E A CLÍNICA DE RECUPERAÇÃO

 

MOTIVAÇÃO PARA DEPENDENTES QUÍMICOS

 

O QUE FAZER PARA PARAR DE USAR DROGAS?

 

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA DE COCAÍNA

 

 

 

Dependência química e a Família

 

 

 

CLÍNICA RECUPERANDO VIDA

R. Inácio de Vasconcellos Cunha Caldeira, 500

Jardim São Francisco – Piracicaba – SP

 

Fone:  (19) 3427-1643
Whatsapp: (19) 99188-2675

 

E-mail: contato@clinicarecuperandovida.com.br

 

WEBSITE OFFICIAL:

 

 

Tags desta página:
0 +
Visitas Mensais em nossa Clínica
0 +
Famílias Atendidas Mensais
0 +
Pacientes em Tratamento Por Ano
0 +
Abrangências em Estados brasileiros
Remoções 24 horas

Remoções 24 horas

O vício é imprevisível e começa a controlar a pessoa sem que ela perceba, ou seja, consequentemente algumas atitudes são tomadas sem que o dependente tenha conhecimento dos malefícios que estão causando e a solução mais plausível é iniciar o tratamento em um clínica de reabilitação.

Nossa equipe está em prontidão para remoção 24h por dia em qualquer região do Brasil através de ambulâncias equipadas, ou se a família preferir possuímos também carros descaracterizados para ações mais privativas e discretas.

Aceitamos Todos os Planos de Saúde

Fale com um de nossos consultores de plantão atendimento 24 horas via Whatsapp